CredPago: nova parceira da Razão garante aluguel mais rápido e sem fiador

Está em busca de um imóvel para alugar, mas gostaria de mais facilidade? 

CredPago é uma garantia locatícia apenas para pessoa física se define como como uma startup que rompe barreiras no mercado de locação de imóveis, diminuindo custos e eliminando processos burocráticos. Seu objetivo é facilitar o acesso à moradia, baixando a régua de preços das garantias pagas e levando mais liberdade para quem quer alugar sem precisar de fiador. 

Como funciona? 

  1. Você escolhe o imóvel que existem em nossa base de dados e envia dados pessoais. 
  1. O corretor preenche na hora seus dados na plataforma CredPago e, em menos de 1 minuto, você tem a resposta da análise de crédito. 
  1. Se aprovado, o inquilino receberá um e-mail para que aceite os termos e prossiga para o pagamento das taxas CredPago. 
  1. Após aceitar os termos, você definirá a forma que irá efetuar o pagamento da taxa inerente à locação, que ficará no valor de 10% do aluguel acrescido de eventual taxa incluída no cálculo. O pagamento poderá ser da seguinte forma:  

– TED, em uma única vez; 

– Boleto, em uma única vez; 

– Cartão de crédito, parcelamento em até 12 vezes; 

*Além da taxa de 10% que é cobrada para garantir a locação, será cobrado uma taxa pela contratação (setup) parcelável em 3 vezes. 

Além das vantagens para o inquilino, a CredPago também leva ganhos aos proprietários! Ele receberá o valor do aluguel em poucos dias, além de maior agilidade para local o imóvel, já que o processo é feito sem burocracia! 

 

E aí, entendeu como funciona? Se você ainda estava dúvida se era possível alugar um imóvel de forma ágil, apostamos que se sentiu mais aliviado ao saber que a CredPago e a Razão podem te ajudar! 

Quer saber mais detalhes? Entre em contato com a gente!  

(41) 3028-2030 | (41) 99706-3735 

 

Vou desocupar um imóvel. E agora?

Tudo o que você precisa saber para evitar dor de cabeça!  

Você vai desocupar um imóvel alugado e está com muitas dúvidas sobre como vai ser. Isso é muito comum. A desocupação do imóvel é um assunto que gera muitas dúvidas e até assombrações. Isto acontece porque as pessoas tem por costume não ler o contrato e possuem o medo de que neste momento, algumas surpresas podem aparecer. 

Por isto, fizemos este post de hoje. A ideia é contar para você tudo o que você precisa saber para não ter nenhum transtorno e fazer a devolução do imóvel de forma tranquila. 

O primeiro passo para a devolução do imóvel é formalizar a sua intenção de entrega. O ideal é que seja o prazo mínimo de 30 dias antes da saída, mas, quando antes você avisar a imobiliária, melhor. 

A premissa básica em qualquer locação é: “deixe o como o encontrou”. Você deve entregar o imóvel nas mesmas condições em que ele estava lá no momento da locação, lembra? 

Foi neste momento, na entrada no imóvel, que foi feito a vistoria. Ela serve tanto para a sua segurança, quanto como a do proprietário. Vai ser baseado nela que as condições do imóvel serão conferidas. 

Verifique desde as condições (e cor) das pinturas e faça os reparos necessários. Também é preciso verificar as condições de equipamentos como torneiras, maçanetas e móveis, quando houver. 

Caso tenha feito alguma benfeitoria no imóvel você precisa ter em mente que o proprietário tem a opção de mantê-la. Mas esta é uma decisão exclusiva dele e ele não tem a obrigação de ressarcimento. A menos que tenha ocorrido algum acerto prévio, é claro. 

Estando tudo certinho, a imobiliária fará uma nova vistoria e, com tudo aprovado, ela dará o aceite na devolução do imóvel. Caso alguma questão não esteja de acordo, a imobiliária está disponível para negociar a melhor forma de corrigir e garantir o encerramento do contrato. 

Além de entregar o imóvel nas mesmas condições em que ele foi encontrado, existem algumas outras coisas que são bem importantes. As contas precisam estar em dia e aqui entra tudo o que é de responsabilidade do locatário: água, luz, IPTU… Também é preciso lembrar de cancelar eventuais serviços extras que foram contratados como internet, tv a cabo ou serviços de telefonia. 

A entrega de imóvel exige atenção e é por isso que a assessoria da imobiliária faz toda a diferença. Nós, da equipe da Imobiliária Razão, estamos a disposição para te ajudar neste momento com toda a segurança e tranquilidade que você merece. 

E se você ficou com alguma dúvida, estamos aqui para te ajudar. 

Cuidados com o seu imóvel para vender mais rápido.

vender casa

Vai vender um imóvel? 

O time de corretores da Razão vai dar o seu melhor para vender ele, mas, você também pode contribuir com alguns cuidados para que ele seja vendido mais rápido. 

Estes cuidados não se limitam apenas à aparência que ajudam a valorizar o imóvel, mas, incluir outras questões como documentação, por exemplo. Tudo para que a negociação seja tranquila rápida. 

Bora lá? 

1) Reforme o imóvel 

Isto mesmo. Antes mesmo de colocar o imóvel a venda, faça os reparos necessários. Impressionar os interessados é fundamental. 

Fica mais difícil o potencial comprador se interessar por um imóvel que esteja com muitas “coisas pra fazer”. Isso vai desmotivá-lo. 

Então, deixe tudo bonitinho para causar uma boa impressão. 

2) Renove a pintura 

Paredes sujas ou com marcas do tempo também podem desmotivar um possível comprador. 

Uma dica importante é investir em tons claros que, além de agradar a maioria das pessoas, contribuem para ampliar os espaços. 

3) Organização 

Um ambiente organizado é essencial para atrair potenciais compradores. Lembre-se que a Razão vai disponibilizar as fotos no seu site e em portais parceiros, como a Rede ImóveisMuitas fotos serão disponibilizadas e, fotos com bagunça são menos atrativas. 

Esta dica vale ainda mais para o momento da visita. Se ela foi agendada, isso significa que a pessoa já deu um passo adiante no seu interesse. Então, um ambiente organizado e impessoal é importante para que o provável comprador possa de identificar com o imóvel. 

4) Ilumine o ambiente 

Lembre-se que quando um interessado for visitar o imóvel, ele vai reparar em todos os detalhes e a iluminação está incluído. 

Verifique as luzes do local e substitua lâmpadas queimadas. A maioria das pessoas gostam de cômodos claros e bem iluminados. 

5) Revise a documentação 

Além da preocupação com a parte física do local, quem vende deve ficar atento à documentação envolvida na transação. Por isso, certificar-se de que tudo está em dia, como pagamentos de impostos, contas e escritura, é uma medida que evita aborrecimentos futuros relacionados a essa questão. 

Vale lembrar que, entre os documentos envolvidos na negociação, estão: 

  • certidão atualizada do registro do imóvel; 
  • comprovantes de pagamento do IPTU; 
  • declaração do síndico ou administrador assegurando que o imóvel não tem débito, entre outros. 

 Como você pode ver, uma boa negociação depende muito dos cuidados com o imóvel antes de colocá-lo à venda. Com tudo em dia, tenha certeza que a equipe da Razão estará empenhada em divulgar o seu imóvel e encontrar o comprador. 

Qualquer dúvida que você tenha, estamos à disposição! =) 

Acessibilidade em imóveis: uma questão de amor ao próximo

Quem não sofre de nenhum tipo de deficiência nem se dá conta de como pequenas coisas do dia a dia podem ser complicadas. Tipo subir uma escada se você é cadeirante, ou mesmo passar por uma porta estreita demais para a cadeira.

Só quem convive com uma deficiência ou com uma PCD (pessoa com deficiência) sabe quanto a acessibilidade é importante. Isso vale para todas as áreas, claro, afinal a sociedade nunca deve excluir as minorias: as soluções precisam ser para todos.

E isso se aplica também no mercado imobiliário: desde o início do ano passou a vigorar o decreto nº 9.451/2018, que regulamenta o artigo 58 da Lei Brasileira de Inclusão (nº 13.146/2015) e prevê que todas as unidades de novos empreendimentos residenciais de edificação sejam adaptáveis às necessidades de acessibilidade de pessoas com deficiência. O decreto também prevê que a construtora deve ser responsável por essas adaptações, se necessárias.

Na prática, o decreto enriquece o conteúdo do artigo 58, que já exigia que as construtoras e incorporadoras assegurassem que um percentual mínimo de suas unidades fossem internamente acessíveis,e que nenhum valor adicional deveria ser cobrado na aquisição delas.

Essa solução acabava ficando aquém do ideal: as construtoras limitavam as unidades acessíveis ao térreo, ou a unidades desvalorizadas de um empreendimento, o que vai contra o princípio mais básico da inclusão social que é não segregar nenhuma minoria.

Com o decreto que passou a vigorar este ano, todas as unidades de novos empreendimentos devem possuir características construtivas que permitam adaptações a fim de garantir acessibilidade, sem prejudicar as instalações nem a estrutura da edificação.

Isso inclui, por exemplo, largura mínima de portas e corredores, altura adequada de janelas, instalação de maçanetas tipo alavanca, barras de apoio nos banheiros, reforço nas paredes onde elas forem aplicadas e até equipamentos de comunicação – como interfone, campainha e alarme – acessíveis para todos.

E isso vale para qualquer andar. Se um cadeirante quer morar no 17º andar de um prédio que ainda será construído, ele deve poder fazer isso. Cabe à construtora oferecer os recursos para que os ajustes necessários sejam feitos, sem custo extra ao comprador e sem danos à estrutura do empreendimento.

Aqui na Imobiliária Razão, nos preocupamos muito com acessibilidade. A chamada “melhor idade” quer viver com conforto e segurança, e é nosso dever encontrar imóveis que possam suprir estas necessidades.

A mudança da lei é muito recente, então estamos dando um passo de cada vez. Em um primeiro momento, fazemos o possível para apresentar aos clientes interessados imóveis de nível único, apartamentos térreos ou com garden, e imóveis/condomínios que já possuam estrutura de acessibilidade, ou ofereçam condições simplificadas de adaptação.

Em alguns casos, basta um pouco de boa vontade do proprietário: instalação de barras fixas em banheiros e escadas, exclusão de desnível entre cômodos ou banheiros, maçanetas tipo alavanca… são coisas simples de resolver, que fazem uma baita diferença na qualidade de vida de idosos e PCD.

 

Vamos passar a oferecer esse tipo de sugestão para proprietários, afinal, uma casa acessível para PCD torna-se uma casa que tem mais potencial de ser vendida ou alugada. É um negócio bom para todo mundo, especialmente para quem precisa.

Mas a acessibilidade também se faz presente nas pequenas coisas: a facilidade no atendimento, seja online ou presencial. Nos esforçamos para atender aos nossos clientes da melhor maneira possível, e vamos continuar investimento em recursos e ferramentas que tornem a Imobiliária Razão cada vez mais próxima, mais acessível.

Cada pequena iniciativa faz diferença nessa luta, e nós estamos fazendo a nossa parte, um pouquinho de cada vez. Quando se fala em acessibilidade, estamos do lado de quem importa: as pessoas.